A Taxa de Rejeição (Bounce Rate, em inglês) é uma das métricas mais utilizadas na interpretação de relatórios do Google™ Analytics e, normalmente, gera muita confusão.

Nem sempre uma taxa de rejeição elevada é representativa de um mau website a nível da navegabilidade dos utilizadores. 

QUERO SABER MAIS SOBRE GOOGLE ANALYTICS »

 

 

 

1. O que é a Taxa de Rejeição?

A Taxa de Rejeição é a percentagem de pessoas que visita uma única página do website, isto é, entram numa página e saem, sem terem visitado outras páginas.

Parece confuso? Veja o seguinte exemplo:

Utilizador 1: Está interessado em saber os contactos da Made2Web, pesquisa no Google™ “Contactos Made2web”, entra na página de contactos, vê a morada e sai do website.

Este utilizador conta para a Taxa de Rejeição.

Utilizador 2: Este utilizador quer saber mais sobre Marketing Digital e encontra um artigo no nosso blog. Fica nessa página cerca de 4 minutos e sai.

Este comportamento é considerado para a Taxa de Rejeição.

Utilizador 3: Está interessado em serviços de SEO, pesquisa no Google™ “Serviços de SEO”, entra na página de serviços de SEO da Made2web (página 1) e depois para saber o número de telefone vai à página de contactos (página 2) e sai do website.

Aqui não existe taxa de rejeição.

 

2. Porque não devemos analisar a taxa de rejeição isoladamente?

Olhemos para o comportamento do Utilizador 1 e 2. Os utilizadores conseguiram atingir o seu objetivo, tal como o utilizador 3, mas abandonaram o website sem visitar outra página. Tendo sido contabilizados para a Taxa de Rejeição.

Aqui percebemos facilmente que não nos podemos focar somente nesta métrica.

2.1. Objetivos por página

Todas as páginas do website têm objetivos diferentes, por isso devem ser analisadas individualmente. Abaixo, as páginas que consideramos mais pertinentes e os seus objetivos principais.

Páginas de Produto: Vender do produto

Página de Categoria: Direcionar tráfego para a página de produto

Homepage: Direcionar tráfego para as categorias

Página de serviço: Gerar leads comerciais e direcionar o tráfego para a página de contactos

Página de Contactos: Gerar leads comerciais e informar sobre os contactos

Página de Blog/Notícias: Informar e educar acerca do produto/serviço em causa

 

Exemplo de análise:

Num website de e-commerce, se as páginas de categoria tiverem 90% de taxa de rejeição é preocupante porque estas servem de passagem para as páginas de produto e isso não está a acontecer em 90% das vezes.

 

2.2. Fontes de tráfego

As várias fontes de tráfego do website devem ser analisadas individualmente. Normalmente, os utilizadores provenientes dos motores de pesquisa, seja pago, ou orgânico, têm tendência a gerar taxas de rejeição mais baixas do que os utilizadores dos restantes canais, à exceção do direto (pessoas que conhecem o website).

tipos de utilizadores

 

Quando pesquisamos no Google™, estamos ativamente à procura de uma solução para o nosso “problema”. Nestas situações, temos maior tendência para procurar mais informações (mais páginas) nos websites que acedemos.

Pelo contrário, quando estamos nas redes sociais, surge publicidade e clicamos por impulso. A nossa tendência é entrar nas páginas, ver o conteúdo e sair.

setting mental dos utilizadores é muito importante na avaliação da Taxa de Rejeição.

Este foi o último capítulo do Guia de Google™ Analytics. Esperamos que tenhamos ajudado a entender a importância desta plataforma para o sucesso de um website.

Abordámos conceitos relevantes que deve ter em consideração na análise do seu website, bem como para fazer publicidade.

Tenha sempre em atenção se está a fazer uma correta análise das diferentes métricas. Uma incorreta análise de uma métrica pode traduzir-se em conclusões erradas e otimizações desnecessárias.

Se quiser ler os outros artigos pode aceder através destes links:

Artigo I - O que é e como instalar o Código de Acompanhamento

Artigo II - O que são conversões e como configurá-las?

Artigo III - Relatórios de Público-alvo

Obrigado por nos ter acompanhado até aqui. Bom trabalho!

QUERO SABER MAIS SOBRE GOOGLE ANALYTICS »