A sensivelmente 6 semanas de acabar o ano, é importante refletir no que aí vem para prepararmos as estratégias de marketing digital dos nossos clientes.

Como agência é muito importante posicionar estrategicamente os nossos parceiros um passo à frente da sua concorrência e ficar de olho em todas as novidades que vão conquistando terreno, mesmo que ainda não tenham muita expressão em Portugal.

Identificámos 5 áreas do Marketing Digital que prevemos que vão ser cada vez mais importantes em 2019:

  1. Chatbots e plataformas de instant messaging;
  2. Pesquisa por voz no Google™;
  3. RGPD e mais transparência online;
  4. Realidade aumentada e realidade virtual;
  5. Inteligência artificial e automação do funil de conversão.

1. Os Chatbots e plataformas de instant messaging vão estar cada vez mais integrados com os websites

O Marketing Relacional tem evoluído para um Marketing Conversacional, em que as interações entre as marcas e as pessoas está tão estreita que é já um instinto dos utilizadores começar uma conversa com uma empresa, a qualquer hora do dia.

O caráter instantâneo destas mensagens torna expectável receber a resposta rapidamente.

Lembre-se sempre de que o seu prospect pode ter começado uma conversa com várias marcas ao mesmo tempo e a rapidez na resposta vai ser determinante para que o utilizador tome a sua decisão.

Atentando a esta necessidade, surgem os Chatbots! Assistentes virtuais, comandados por Inteligência Artificial, que respondem automaticamente consoante um padrão mais ou menos complexo.

Nos EUA, prevê-se que até 2020, 85% das interações entre utilizadores e marcas passe por um chatbot.

chatbot-pizza-hut

Exemplo: chatbot do Pizza Hut nos Estados Unidos

 

Perguntas obrigatórias a fazer ANTES de criar um Chatbot:

  1. Onde vai ser integrado? Website? Facebook? Ambos?
  2. O que vai permitir fazer? Subscrever blog? Compras? (etc)
  3. Quais são as personas com quem o Bot vai conversar?
  4. Qual vai ser o tom de comunicação? Formal ou informal?

sugestao-blog-made2web Sugestão: se procura começar a experimentar, recomendamos a plataforma Mobile Monkey para a criação destes bots.

 

2. As pessoas vão começar cada vez mais a usar a pesquisa por voz

A Siri tornou-se a melhor amiga dos donos de iOS. A Alexa ou o Google Home estão a ganhar o seu espaço nos lares... está a ver a tendência?

assistentes-de-pesquisa-por-voz

Os 4 principais assistentes de pesquisa de voz: Siri, Cortana, Alexa e Google Now.

 

Esta tecnologia permite-nos comandar ações com a voz sem termos de ocupar as mãos, que podem perfeitamente continuar a realizar outras tarefas. Pode parecer que não à primeira vista, mas estes dispositivos estão a revolucionar a forma como fazemos Search Engine Optimization.

O próximo Google™ tem feito alterações para tornar os resultados mais eficientes neste sentido. Existe agora uma interpretação da intenção de pesquisa e do contexto por trás de cada pesquisa para garantir que os resultados são relevantes para o utilizador.

Se pensarmos bem, quando falamos temos tendência a elaborar mais as perguntas que numa pesquisa escrita. Dá menos trabalho e é mais natural construir uma frase completa do que dizer palavras soltas como muitas vezes fazemos numa pesquisa escrita.

3 otimizações que deve fazer ao seu website para o preparar para pesquisas por voz:

  1. Otimizar o seu website para que contenha o máximo de fragmentos estruturados (featured snippets) possível;
  2. Otimizar o conteúdo do seu website para que responda às perguntas que os seus clientes costumam fazer sobre o seu negócio;
  3. Otimizar a sua página de Google My Business (para negócios locais).

3. O RGPD e todos os escândalos de 2018 vão avivar a luta por uma Internet mais transparente

Ninguém se esqueceu dos dramas de 2018 que o Facebook enfrentou com a Cambridge Analytica. Para a União Europeia, foi a gota de água: os dados pessoais dos seus cidadãos tinham de ser protegidos. E assim 2018 se transformou também no ano da implementação do Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGPD).

A 25 de maio foram lançadas medidas que obrigaram as empresas a funcionar de forma diferente. O incumprimento pode levar a uma multa de 2M€ ou 4% da faturação anula de uma empresa. Os donos dos dados têm agora mais direitos e um deles é precisamente a transparência.

As empresas no digital devem optar uma completa transparência, admitindo as falhas dos seus produtos e respondendo diretamente a feedback negativo.

Há que ter consciência de que os consumidores são cada vez mais informados, difíceis de impressionar e que têm à sua disposição uma abundância de reviews para os ajudar a tomar uma opinião antes mesmo de entrar em contacto. Clique neste link se quiser saber como pode transformar o feedback negativo numa oportunidade.

 

4. Realidade aumentada e realidade virtual como formas de Storytelling imersivo

A Realidade Aumentada e a Realidade Virtual são, para as marcas, uma forma de proporcionar experiências mais imersivas aos seus consumidores e demonstram uma compreensão extraordinária dos targets (principalmente mais jovens).

Não basta contar uma história, há que proporcionar uma forma de participar na história.

Podem transformar-se em tours virtuais, vídeos em 360º ou 3D, jogos interativos, etc. Muitas vezes são usadas experiências de Realidade Virtual para permitir que os utilizadores experimentem um produto à distância.

pokemon-go

Exemplo: o jogo Pokemon Go da Nintendo usou realidade aumentada para proporcionar uma nova experiência de jogo.

 

Esta previsão centra-se muito à volta de uma palavra: Inovação. Quem vai vencer em 2019 são as empresas que apostam em inovar das formas certas e que consigam captar a atenção dos prospects pela positiva.

 

5. Os funis de conversão das empresas vão ser influenciados por inteligência artificial e automações

A Inteligência Artificial (IA) continua a ser um dos temas mais quentes no Marketing Digital. O nascimento dos Chatbots veio avivar esta noção, mas a verdade é que plataformas como o Google™ ou o Facebook™ há muito que a utilizam para prever comportamentos e otimizar as suas plataformas.

Vemos também um crescente uso de Programmatic Advertising, um formato de anúncios online que usa IA para segmentar as campanhas de forma mais eficiente e com custos mais reduzidos. Existem várias plataformas, como a Google Ad Manager, que permitem ter acesso a estas novas ferramentas.

Um outro aliado dos marketeers para agir de acordo com o comportamento dos utilizadores são as automações de email, que permitem enviar mensagens personalizadas para o tipo de utilizador e o comportamento que tem tido ao longo do tempo.

Os exemplos mais óbvios de automações são o envio de um email quando o utilizador faz anos ou o envio de um email com o carrinho que ficou abandonado no website. O estudo do processo de conversão pode e deve gerar novas ideias de automações que poupem tempo ao Marketeer e, ao mesmo tempo, aumentem as conversões.

sugestao-blog-made2web Sugestão: recomendamos uma plataforma como a Hubspot para criar automações de email. 

O próprio funil de conversão é alterado a partir do momento em que o utilizador muda a forma como pesquisa.

O Google™ identificou 4 micro-momentos principais que levam os utilizadores aos websites. Se pensarmos nos contextos destas pesquisas, vemos que temos poucos segundos para lhes dar a mensagem certa, no momento certo.

micro-momentos-google

 Fonte: Think With Google

 

Decorrendo desta noção, muitos websites têm recorrido a softwares de personalização ou testes A/B mais avançados, que usam Inteligência Artificial para adaptar o copy do website ao contexto do utilizador. O céu é o limite!

CONHEÇA AS SOLUÇÕES DE MARKETING DIGITAL DA MADE2WEB »

 

2019 está mesmo a chegar... prepare-se também!

Para manter a sua empresa competitiva no mercado, tem de mostrar que tem tudo a postos para encarar de frente todos estes desafios ou corre o risco de ser rapidamente ultrapassado por um concorrente mais ousado.

Outro aspeto a ter em consideração tanto em segmentos B2B como B2C é a maturação das novas gerações.

Os Millennials (1980-1994), em tempos tão controversos e digital-savvy, estão agora a ser ultrapassados pelos jovens da Geração Z (1995-2010), a primeira geração 100% nativa do digital.

Com 25 anos, lembro-me perfeitamente de ser criança e ter de desligar o telefone de casa para ligar o computador à Internet (e da dor de cabeça que isso era... mais valia ir brincar para a rua). Agora, olho para as crianças de tablet na mão e percebo que são tecnologicamente mais avançadas que eu e que nos vão dar 10 a 0 enquanto adultos.

Esta evolução sem dúvida que vai trazer muitas surpresas para as empresas no digital, tal como a presença dos Millennials tem causado. Existe agora uma maior afinidade por mensagens, uma necessidade de resposta imediata, um multitasking constante de dispositivos e novas formas de pesquisar no Google™.

É altura de refletir e decidir que tipo de estratégias vamos implementar em 2019. Vamos a isso?! 😉

 

ano novo